Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

versejos livres

versejos livres

16
Fev07

desci agora

Lino Costa

desci agora

aquele velho caminho

um íngreme, calcetado, caminho

e no longe

a marrafa arrumada com cabelos de metro

 

João o vendeiro da “Paz”

gordo rosado e corcundo,

a contar brindeiros com minúcia

debruçado sobre a cesta seca de vime

virado prá casa da “querida”

 

o “feiticeiro”, esse velho batido

serra o olho à desposada do “failita”

que vem farta e sempre bonita,

a meia ladeira, percorrendo as curvas da levada

de beiços pintados e decote perdido entre as carnes

 

conta João espera-te o padeiro

eu vejo-te aqui, no portão do “Ti Sousa”

de fronte pró paraíso plantado do “Alemão”

fumando um cigarro às escondidas

conta João tens o papo pendido

 

fica por aí eu volto logo

vou ver as raparigas na paragem

até me lavei, e vou de calções,

elas vêm de saia curta, dos “estanquinhos” e dos “salões”…

não contes mais, o padeiro só vem amanhã.


Um bom Madeirense sabe sempre, do que se trata quando com espanto nos olhos, expressado, se fala em ladeiras e caminhos íngremes, e mais Madeirense ainda é aquele que sabe onde começa o Caminho do Palheiro, nas redondezas do Funchal, mas com precisão lhes digo que no seu começo a montante da cidade.

 

Imaginem um rapazito que começa a pensar em ter uma rapariga para dar uns beijinhos e saber quantas curvas tem a dita, e que ainda precisa de fumar às escondidas um cigarro roubado ou cravado, aí pelos seus 12 anos, se bem me lembro. Fugiu de casa para esfumar uma beata e que quer ver as raparigas que vão fresquinhas e alvas para a escola pelo meio da manhã. Banho tomado e cabelos molhados, perfumadas e arranjadas até às orelhas…

O que eu sei é que adorei esse tempo de criança que queria crescer à força, mas como um menino que nem sabia o que pensava. Nessa ladeira o pouco que tinha, já, no seu começo era uma casa com um clube no Rés-do-chão e que nessa casa vivia um viúvo que adorava puxar do seu rapé para saborear um bafejo daquela coisa, o tal Ti Sousa, em frente a casa de um alemão que nem eu sabia se era alemão, mas que por características físicas, alto, olharento e de poucas falas e pálido como a cal, atribuiu-se essa alcunha. Um dia foi preso por posse ilegal de plantas que queimadas fazia rir muito. João era o vendeiro, era careca mas só quando o vento o deixava ver, porque o cabelo estava tão arrumado que parecia um turbante, um homem bom mas quando estava com os copos era um bom artista que contava anedotas “porcas”, como a da máquina de tirar leite a vacas, que um dia vos conto, foi o merceeiro que durante todos estes anos, até hoje, quando me vê me chama de “russo”, porque quando era menino, menino, menino era ruivo e sardento, para mal da minha boa postura como criança num seio de outras tantas que eram severas na chacota. Mas cá estou a lembrar o decote de farturas da mulher do “failita”, a ser cobiçado pelo “feiticeiro” e não só, mas isso um dia também vos conto, prometo. Um velho batido, e, tudo isto a esfumaçar às escondidas um cigarro que tanto me sabia bem, um BINGO GRANDE, ainda me lembro. Depois lá para o fim da manhã ia ver as raparigas, as benditas raparigas que na altura vinham de todos os lados e eram realmente todas bonitas.

 

 

Só para acabar, a “Querida” era uma mulher de voz rouca que adorava um bom copo de vinho no meio dos homens todos, no bar, com cheiro a bar, da mercearia. Tinha dez filhos e um dia desapareceu e nunca mais se soube nada dela. Quem sabe se de pais diferentes? Um andou comigo na escola. O Márcio.

 

Adorei…

 

Lisboa, 12 de Fevereiro de 2007

 

 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D